As ferramentas do futuro em nosso presente

“Quando eu estava na escola, o computador era uma coisa muito assustadora. As pessoas falavam em desafiar aquela máquina do mal que estava sempre fazendo contas que não pareciam corretas. E ninguém pensou naquilo como uma ferramenta poderosa.”
(William Henry Gates III)

Estamos sempre a espera de um futuro com carros voadores, teletransportes, viver em outros planetas sem conflitos ou guerras, mas não nos damos conta que já estamos no futuro, basta olhar ao redor e perceber que a tecnologia nos rodeia. Como disse Bill Gates, todos apontam a tecnologia como algo do mal ou diz ser muito complicado, mas e se ela estiver aqui para ajudar a todos?

Atualmente, vivemos um momento ao qual existem mais celulares no mundo do que pessoas, de acordo com a Bank My Cell são mais de 9 bilhões de smartphones, sendo que o primeiro telefone surgiu em 1973, e só foi comercializado em 1983 pela Motorola.

A velocidade na qual a tecnologia avança esta cada vez maior, em 1980 até o ano de 2000 era utilizado a internet discada, que possuía velocidade de 52 kbits para download (baixar arquivos). Em 2013, foi realizada uma pesquisa pela equipe de telecomunicação francesas Alcatel-Lucent e BT que, conseguiu transmitir dados a 1,4 Terabits usando cabos de fibra ótica. Para ter uma ideia, há 19 anos atrás a velocidade de download era de 0,5 megabits por segundo, e 13 anos após temos uma velocidade de 1.048.576 megabits por segundo, com esta nova tecnologia é possível baixar 44 filmes da Netflix em apenas 1 segundo, ou copiar 192 textos comprimidos de todos os artigos da Wikipédia em português.

Um outro exemplo é sobre “nossa querida”Televisão, ela foi inventada em 1923 por Vladimir Zworykin, um russo que vivia no Estados Unidos. Ele criou o tubo iconoscópico (base da televisão de cubo). Entretanto em 1928 foi realizada a primeira transmissão televisiva preto e branco, feita por Ernst F. W. Alexanderson. Esses televisores eram muito grandes, seu cubo onde era armazenado o tubo de raios catódicos (conversor de ondas de transmissão em imagem) media cerca de 45 cm de largura. Após 54 anos deste feito, em 2016, a LG anuncia a Smart TV mais fina do mundo, com apenas 2,57 milímetros de espessura, o equivalente a quatro cartões de créditos juntos, com qualidade de imagem 4K (4 vezes melhor que o Full HD), e agora em 2019, a Samsung anunciou a TV com tecnologia 8K com até 98 polegadas de tela (aproximadamente 248 centímetros de comprimento). Os televisores hoje em dia não proporcionam somente qualidade de imagem comparado com as primeiras televisões, ela nos permite navegar pela internet, assistir qualquer programa a qualquer momento, realizar vídeo conferência em tempo real com qualquer pessoa em qualquer lugar do mundo, isso é incrível e inimaginável há 40 anos atrás.

“Tudo bem, televisões melhores, celulares, uma internet incrivelmente rápida, mas pra que vou querer isto?” deve estar se perguntando. Bem, a tecnologia está avançando para um caminho que chamamos de IOT ou “Internet of things” (Termo em Inglês que significa Internet das Coisas), de acordo com a McKinsey Global Institute, o impacto dessa inovação na economia poderá chegar até 11% do PIB mundial em 2025, correspondente a 11,1 trilhões de dólares. “Tudo bem, isso lá fora, e no brasil, vai acontecer isso?”, a resposta é sim, de acordo com o IDC, o número de dispositivos conectados à internet no Brasil chegará a 30 bilhões e movimentará cerca de US$ 13 bilhões até 2020. A expectativa do crescimento da IOT no país leva em conta a nova política pública do Banco Nacional do Desenvolvimento (BNDES), que assinou um convênio com o Ministério de Ciência, Tecnologia, Inovações e Comunicações (MCTI) para a elaboração do Plano Nacional de Internet das Coisas, que estará em vigência entre 2017 e 2022. O termo IOT surgiu em 1999 por Kevin Ashton, pesquisador do Instituto de Tecnologia de Massachusetts (MIT), mas só ganhou popularidade a partir de 2013 segundo uma pesquisa realizada pela Google Trends.

“A Internet das coisas, à parte maiores rigores semânticos, é um termo que acaba evocando o aumento da comunicação entre máquinas pela internet (M2M, ou machine-to-machine, que recentemente ultrapassou em volume a comunicação interpessoal pela internet), o desenvolvimento de diversos utensílios (desde os prosaicos exemplos das geladeiras ou torradeiras ligadas à internet), além de microdispositivos, como sensores que, dispostos das mais diversas maneiras para captar dados a partir de seu ambiente, tornam-se partes integrantes da internet.”.
(MAGRANI, p. 11, 2018)

Resumindo, a IOT irá conectar uma geladeira a um supermercado e, sempre que faltar algo essencial, automaticamente sua geladeira mandara uma mensagem para o supermercado, para que seja entregue os alimentos que estão faltando. Outro exemplo, você está em seu trabalho e quer fazer um frango assado, o que pode ser feito? Bem, neste caso mande uma mensagem para seu forno e diga para deixar pré-aquecido em 180°C, e já avise sua geladeira para descongelar o frango.

Este será um cenário muito comum com a introdução da nova tecnologia, agora pode parecer piada ou um absurdo, mas segundo o estudo “A Internet das Coisas nas Cidades Inteligentes” da PwC Brasil, diferentes projetos de IoT foram implantados em grandes cidades ao redor do mundo. A Rússia, segundo a consultoria, é um dos países que mais investe nessa tecnologia. O Brasil, por sua vez, fica atrás neste quesito de países desenvolvidos, como Estados Unidos, Alemanha e Suécia, porém acompanha os vizinhos da América Latina, como a Argentina. Para mudar esse cenário, são necessárias políticas públicas e redução tributária, “O Brasil tem um longo caminho para percorrer em relação aos demais países”, afirma Fernando Chemin, diretor da PwC Brasil.

Hoje em dia temos muitos aplicativos que tornam nossas vidas mais simples, precisa de um taxi? Temos o Uber, 99, Easy taxi, precisou conversar com um parente ou colega que está muito longe mas esta sem créditos? faça uma chama pelo Whatsapp, Facebook, Skype ou Discord, tem que comprar algo e não faz ideia de onde encontrar? compre pelo Mercado Livre, Wish ou OLX. A variedade de aplicativos que utilizamos em nosso dia-a-dia é enorme, e tudo isso graças a tecnologia atual e pessoas que acreditam em um mundo melhor e conectado a nossas necessidades, com isso podemos ter um olhar diferente e menos crítico ao nosso futuro. E quando esse futuro irá chegar? felizmente estamos vivendo ele exatamente agora! aproveite.

REFERÊNCIAS

BASILIO, Patrícia. Como a internet das coisas já mudou algumas das maiores cidades do mundo.

2018 https://epocanegocios.globo.com/Tecnologia/noticia/2018/12/como-internet-das-coisas-ja-mudou-algumas-das-maiores-cidades-do-mundo.html

Gráfico, interesse ao longo do tempo sobre o tema Internet das Coisas. Google Trends. 2019. https://trends.google.com/trends/explore?date=all&q=%2Fm%2F02vnd10

Bank My Cell. Quantos telefones estão no mundo e quantas pessoas tem dispositivos móveis. 2019. https://www.bankmycell.com/blog/how-many-phones-are-in-the-world

HIGA, Paulo. A nova conexão à internet mais rápida do mundo atinge 1,4 terabit por segundo. 2013. https://tecnoblog.net/149591/reino-unido-internet-mais-rapida-alcatel-bt/

MAGRANI, Eduardo. A Internet das Coisas. Rio de Janeiro, FGV Editora. 2018.

Gostou do conteúdo? Compartilhe!

Deixar uma resposta